2

Como o sono afeta na aprendizagem

5256Pontos

hace un año

A quantidade de literatura científica sobre como aprendemos e memorizamos o que aprendemos é impressionante. Temos pesquisado esse tópico há mais de 100 anos. De fato, há tanta informação que poucos conseguem ler profundamente sobre o assunto.

No entanto, uma das descobertas concretas mais relevantes é que o sono desempenha um dos papéis mais importantes na memorização e aprendizado. A ciência mostrou que em momentos de descanso e na ausência de estímulos externos, os neurônios do hipocampo disparam espontaneamente durante o sono.

Depois de [ogar horas de videogame como Tetris, os jogadores foram examinados na noite seguinte: literalmente alucinaram uma variedade de formas geométricas em seus sonhos, e seus olhos realizaram os movimentos correspondentes, de cima para baixo. ¿Les ha pasado?

A explicação científica de como o cérebro aprende enquanto dorme

Vamos por partes. Stanislas Dehaene, autor do livro HOW WE LEARN: Why Brains Learn Better Than Any Machine . . . for Now, explica o experimento realizado com ratos pelos neurofisiologistas Matthew Wilson e Bruce McNaughton sobre o funcionamento do cérebro enquanto dormimos.

O hipocampo contém neurônios que disparam quando um animal está (ou pensa que está) em um determinado espaço. Ele está repleto de neurônios que codificam o lugar, e cada um dos quais prefere um lugar diferente. Se você gravar o suficiente, descobrirá que eles cobrem todo o espaço em que o animal caminha.

Quando o rato acorda e se move através de um corredor, alguns neurônios disparam no início, outros no meio e outros no final.

E é aqui que os experimentos de Wilson e McNaughton se encaixam. Os dois cientistas descobriram que quando o rato dorme, as células do hipocampo começam a disparar novamente, na mesma ordem da jornada que eles fizeram enquanto acordavam no corredor. Os neurônios literalmente reproduzem as trajetórias do período de vigília anterior. A única diferença é a velocidade: durante o sono, as descargas neurais podem acelerar por 20x.

Assim, o cérebro do rato reproduz, em alta velocidade, os padrões de atividade que experimentou no dia anterior. Toda noite traz de volta memórias do dia. E essa repetição não se limita ao hipocampo, mas se estende ao córtex, onde desempenha um papel decisivo na plasticidade sináptica e na consolidação do aprendizado.

Como o sono interfere no aprendizado

Graças a essa reativação noturna, um único evento em nossas vidas, gravado apenas uma vez em nossa memória episódica, pode ser reproduzido centenas de vezes durante a noite.

Essa transferência de memória pode até ser a principal função do sono. O hipocampo pode se especializar em armazenar os eventos do dia anterior, usando uma regra rápida de aprendizagem de prova única.

Durante a noite, a reativação desses sinais neurais os propaga para outras redes neurais, localizadas principalmente no córtex e capazes de extrair o máximo de informação possível de cada episódio.

De fato, no córtex de uma pessoa aprendendo a executar uma nova tarefa, quanto mais um neurônio é reativado durante a noite, mais sua participação na tarefa aumenta no dia seguinte. A reativação do hipocampo leva à automação cortical.

O sono e a aprendizagem estão fortemente ligados. Numerosas experiências mostram que variações na profundidade do sono se correlacionam com variações no desempenho no dia seguinte. Portanto, uma mente descansada é mais lúcida em aprender.

Quando aprendemos a usar um_ joystick_, por exemplo, durante a noite seguinte, a frequência e a intensidade das ondas lentas do sono aumentam nas regiões parietais do cérebro envolvidas nesse aprendizado sensório-motor e, quanto mais forte o aumento, mais o desempenho de uma pessoa melhora.

Portanto, quem joga longas horas de videogame precisa dormir para ser mais ágil no jogo no dia seguinte.

Da mesma forma, após o aprendizado motor, a imagem do cérebro mostra atividade aumentada no córtex motor, hipocampo e cerebelo, acompanhada por uma diminuição em certas áreas frontais, parietais e temporais.

Experimento após experimento fornece resultados convergentes: após o sono, a atividade cerebral muda e uma parte do conhecimento adquirido durante o dia é fortalecida e é transferido para circuitos mais automáticos e especializados.

Portanto, uma mente descansada é mais lúcida em aprender.

Experiências em torno do sonho

O cientista alemão do sono Jan Born fez um experimento em que pequenas ondas passaram pelo crânio, reproduzindo um som sincronizado com as ondas cerebrais do dorminhoco. Acalmado pelo som das ondas, o cérebro da pessoa foi levado por esse ritmo irresistível e produziu ondas significativamente mais lentas, características do sono profundo. No dia seguinte, essa ressonância levou a uma consolidação mais forte do aprendizado. O que significa que, quanto mais profundo o sonho, mais forte será a consolidação do que foi aprendido.

Uma startup francesa começou a explorar esse efeito e vende bandanas que deveriam facilitar o sono e aumentar a profundidade do sono, reproduzindo sons calmos que estimulam os ritmos lentos do cérebro noturno. Outros pesquisadores tentam aumentar o aprendizado forçando o cérebro a reativar certas memórias à noite.

Imagine aprender certas coisas em uma sala com perfumada com o cheiro de rosas. A noite depois que você dorme profundamente, pulverizamos seu quarto com a mesma fragrância. As experiências indicam que as informações que você aprendeu são muito melhores consolidadas na manhã seguinte do que se você tivesse dormido exposto a outro cheiro. O perfume das rosas serve como um sinal inconsciente que distorce seu cérebro para reativar esse episódio específico do dia, aumentando assim a consolidação da memória.

No futuro, todos nós vamos manipular o nosso sono para aprender melhor? Muitos estudantes já fazem isso espontaneamente: eles revisam uma lição importante antes de adormecer, sem saber, fixando-a com a repetição noturna.

O cérebro adormecido NÃO absorve nenhuma informação nova.

Mas não vamos confundir estratégias tão úteis com o equívoco de que alguém pode adquirir habilidades totalmente novas enquanto dorme. Alguns charlatães vendem gravações de áudio que supostamente ensinam inconscientemente uma língua estrangeira enquanto dormem. A pesquisa é clara: essas gravações não têm efeito. Embora possa haver algumas exceções, a maioria das evidências sugere que o cérebro adormecido NÃO absorve nenhuma informação nova: apenas pode reproduzir as que já experimentou. Para aprender uma habilidade tão complexa quanto um novo idioma, a única coisa que funciona é praticar durante o dia e dormir à noite para reativar e consolidar o que adquirimos.

Na segunda parte deste especial, ensinarei como as fases do sono funcionam e as dicas que, de acordo com a ciência, funcionam para adormecer mais rapidamente. Lembre-se de que o sono é importante para o seu aprendizado 😉

Me diz nos comentários o que mais você gostaria de aprender sobre este tópico 💚

Ingrid
Ingrid
Escreva o seu comentário
+ 2
1

o sono é muito importante para nós, nao imaginamos as tarefas que ele tem em nossas atividades cotidiais. O sono é mais que fechar os olhos é uma porta nova para fornecer o conhecimiento. Um artigo bom demais