Guia do Freelancer: o que é e como ter sucesso?

Com a crescente digitalização, cada vez mais pessoas estão interessadas no trabalho freelancer. Seja pela facilidade de trabalhar de qualquer lugar e ter flexibilidade, seja pela necessidade de criar um portfólio e construir sua carreira e marca pessoal. Apesar de tanto interesse, no entanto, ainda existem muitos mitos e dúvidas acerca desse tipo de trabalho.

Como conseguir clientes? Como ter renda trabalhando em casa? Como se organizar para não desanimar?

Neste artigo vamos conversar sobre como é trabalhar de forma independente – os obstáculos que você encontrará, mas também as incríveis vantagens. Além disso, você encontrará resposta para boa parte dessas perguntas e as melhores dicas caso você queira saber como trabalhar como freelancer.

O que é freelancer?

Freelancer é um tipo de trabalho ou profissional autônomo, sem vínculo empregatício. Diferente do profissional PJ, o freelancer tem vários clientes e não participa da cultura organizacional de uma empresa — apenas presta serviço de maneira independente.

Por ser um tipo de trabalho em que é preciso lidar com a incerteza e com um escopo diferente do “comum”, existem uma série de mitos. Vamos desmistificar alguns deles abaixo e entender melhor o que significa ser um freelancer.

Mito 1: Você não tem a certeza de uma renda mensal

Mentira.

É claro que, se você trabalha com um serviço que não é recorrente, você corre o risco de ter seu trabalho solicitado apenas uma vez e acabar ficando de mãos abanando em um determinado mês.

Mas a verdade é que no trabalho freelancer seu rendimento depende do tipo de serviço que você oferece e da estabilidade que você consegue criar com seus clientes

Existem trabalhos que têm um começo e fim muito claros, como por exemplo fazer um bolo de casamento ou projetar um site. Mas a maior parte dos serviços pode ser oferecido mensalmente e, assim, proporcionar estabilidade financeira.

Além disso, existem uma série de técnicas que vão te ajudar a ter a agenda lotada de clientes. Leia esse artigo até o fim e confira nossas dicas!

Mito 2: Você é seu próprio chefe

Mentira também.

Seu chefe passa a ser o cliente — e essa relação pode se tornar ainda mais difícil do que aquelas com uma liderança organizacional. Por isso, se você está interessado em uma carreira freelancer, é bom ter a inteligência emocional em dia e saber como negociar!Em suma, seu cliente é quem te paga e, embora nem sempre os clientes tenham razão ou saibam claramente o que querem, é seu trabalho orientá-lo a tomar as melhores decisões. Tenha paciência e empatia, mas também tenha o cuidado de saber separar o joio do trigo: apenas feche negócio com clientes que sejam convenientes para você e alinhados com seus objetivos, para que você não perca tempo ou dinheiro.

Mito 3: Você trabalha de pijama sempre que quiser

Bom, esse não é bem um mito. Se sua internet é boa e você tem um lugar confortável em casa para trabalhar, é bem possível que você acabe trabalhando de pijama de vez em quando.

Mas, embora não seja um mito, essa prática não é muito recomendável.

É importante que, mesmo como Freelancer, você tenha uma rotina que ajude seu cérebro a separar seu trabalho da sua vida pessoal, principalmente se você trabalha de casa.

Mito 4: Todo freelancer é empresário

Mentira.

O Freelancer é, antes de tudo, um prestador de serviço autônomo. Ele pode até contratar um contador para ajudar a pagar os impostos de sua MEI, mas ele não tem funcionários que o ajudem no dia a dia de trabalho. É o freelancer que produz o trabalho que oferece.

Um empresário possui um negócio, cobra seus clientes e faz a contabilidade de tudo. Muitas vezes ele não faz o trabalho diretamente, mas contrata funcionários e delega o trabalho. Ele obtém lucros, presta contas aos acionistas e tem uma série de responsabilidades empresariais.

Isso impede que um empresário faça trabalho freelancer ou que um freelancer venha a desenvolver uma empresa? Claro que não! Existem muitos casos de profissionais que começaram como freelancers e criaram empresas.

Vantagens e desvantagens de trabalhar como freelancer

Assim como todo modelo de trabalho, existem vantagens e desvantagens em trabalhar como freelancer. É interessante que você tenha tudo isso em mente se está considerando esse tipo de trabalho ou se está tentando decidir qual formato seria melhor para você.

Vantagens de trabalhar como freelancer

Entre as vantagens de trabalhar como freelancer está a flexibilidade, que permite que o trabalhador aproveite melhor suas particularidades no que diz respeito a produtividade. Assim, é possível entender que locais, horários e ritmos de trabalho trazem melhores resultados.

Não é preciso se alinhar com o resto da equipe (que não existe), estar online para dar suporte para outros colegas ou dar satisfações. Tudo o que você precisa é cumprir o combinado no que diz respeito ao serviço e à data de entrega.

Desvantagens de trabalhar como freelancer

Mas nem tudo são flores…

Você pode não ter clientes

Se você está desenvolvendo seu trabalho há pouco tempo porque acabou de terminar a escola/universidade ou simplesmente quer começar do zero como freelancer, terá que passar por um processo de criação de reputação profissional para obter seus primeiros clientes.

Você não tem ninguém para te substituir

Se você ficar doente ou algo acontecer com você, os clientes terão que esperar. E talvez nem todos sejam compreensivos. Procure um parceiro que possa ajudá-lo nesses casos, alguém em quem você possa confiar e possa te substituir se necessário — e disponibilize-se para fazer o mesmo por ele.

Você precisa se planejar muito bem

Lembre-se: como freelancer você não tem benefícios que um trabalho CLT poderia te dar. It’s on you: você tem que pagar o plano de saúde, planejar-se para tirar férias e ter uma reserva financeira para estar preparado para emergências!

Como trabalhar como freelancer

Agora que você já conhece tantos detalhes sobre esse tipo de trabalho, tá na hora de conferir as dicas da Platzi para ser um freelancer de sucesso e bem sucedido!

Tenha regras claras de trabalho

Sem regras claras, os clientes podem não saber reconhecer os limites do trabalho. É muito comum que clientes pensem que podem pedir “pequenos favores” sem custo que, na verdade, são sim parte do seu trabalho e devem ser precificados.

Isso geralmente acontece porque o processo de precificação não ficou claro, ou seja, o cliente não sabe exatamente o que está incluso no valor que pagou.

Assim, ao detalhar os serviços a partir de um contrato escrito, você pode evitar muitos problemas. Deixe claro se você está oferecendo um valor baseado no tempo de trabalho ou no produto final — e preste atenção para não se comprometer com as informações que passa sobre precificação.

Lembre-se que toda comunicação deve ser usada de forma honesta, mas ainda assim estratégica.

Peça adiantamentos sempre que possível!

Ter um contrato e receber um adiantamento deveria ser o mantra de todo freelancer. Caso contrário, você pode acabar sendo mais um desses profissionais que trabalham muito em um projeto e acabam não sendo pagos.

Respeitar e valorizar a si mesmo como o profissional ou especialista que você é também tem a ver com não aceitar qualquer coisa!

Para evitar que argumentos como “Como posso pagar antes de receber o produto e ter certeza que gosto dele?” tenha materiais como portfólio e dados de resultados obtidos através de seu trabalho. Essa é uma dica valiosa que vi no Audio Curso de Como Fechar Negócios: sempre tenha dados e ferramentas à mão para uma negociação!

(Aliás, recomendo muito esse curso para Freelancers! Tenho certeza que você vai ter um ótimo resultado usando as técnicas e estratégias do curso)

Não perca tempo em reuniões

Sabe aquela reunião que poderia ser um e-mail? Evite-a ao máximo!

O cliente deve aprender desde o primeiro contato quanto vale o seu tempo.

Hoje, praticamente todos os tipos de trabalho podem ser coordenados por telefone ou videoconferência.

Evite também fazer reuniões para cotar o trabalho para um cliente que você não vê muito potencial. Não perca seu tempo em reuniões infrutíferas a menos que haja um grande valor em jogo.

Crie com cuidado serviços recorrentes ou mensais

Parece óbvio, mas os pacotes de serviços mensais devem estar de acordo com o trabalho efetivo que queremos realizar com os clientes. Por exemplo:

  • Você não gosta de ir a reuniões? Não as mencione em seus serviços sem incluir um custo extra.
  • Você prefere que o cliente se encarregue de algo em vez de você? Defina isso no seu contrato.
  • Você não quer trabalhar nos fins de semana? Estabeleça essa regra no contrato ou atribua um custo extra para requisições fora do horário comercial.

Limite serviços exclusivos

Para serviços não recorrentes ou que são “só uma vez”, você deve limitar muito bem o escopo para não ficar aquém do valor ou ter pouco tempo para realizar o trabalho.

O importante é que você estabeleça as regras, mas saiba quando ser flexível também. Se o cliente não concordar com algo, você pode negociar exceções ou projetar um serviço sob medida para as necessidades dele.

A ideia dos pacotes de serviços é fornecer ao cliente suas “tarifas base” para que ele possa se interessar pelo seu trabalho e te ligar para fazer um orçamento.

Desenvolva uma marca pessoal memorável

Ao criar uma marca pessoal, você comunicará com eficácia quem você é e o que sabe fazer. Seja o primeiro nome que vem a mente de alguém quando precisar do serviço que você oferece!

Como você se apresenta para os seus clientes em potencial? Como eles descobrem que você existe? Como você vende seu trabalho?

Somente quando você tem uma marca pessoal sólida é que pode trabalhar os aspectos do marketing que o ajudam a se “vender” melhor.

Eu sou suspeita para falar porque sou fã da professora Sonia Zardenunes e de seu Curso de Marca Pessoal, mas realmente acredito que ele seja essencial para qualquer profissional e ainda mais para aqueles que trabalham de forma autônoma.

Concentre-se no que você gosta

Escolha um nicho de mercado que você goste e foque em conseguir clientes dessa área. Não importa qual o serviço que oferece: aqui, estamos falando sobre para quem você oferece esse serviço.

Se você gosta de cozinhar, pode trabalhar com chefs ou marcas de alimentos. Se você gosta de animais de estimação, pode trabalhar com ONGs de animais, marcas de ração ou veterinários. Se você gosta de viajar, procure agências de viagens.

É muito mais fácil se relacionar com clientes de quem você gosta porque você compartilha seus valores ou modo de viver a vida. Por sua vez, os clientes acharão mais fácil confiar em uma pessoa com quem têm algo em comum.

E isso sem falar no prazer que você pode sentir em trabalhar nesses casos e na facilidade de obter resultados, principalmente se o seu trabalho for dos tipos mais criativos.

Pesquise e encontre bons clientes

Você precisa aprender a detectar clientes que não combinam com você. Desenvolva seu faro para saber em uma conversa telefônica se a pessoa do outro lado é um bom cliente em potencial. Um bom método para ganhar prática é o cold calling, que consiste em montar uma lista de clientes em potencial e ligar para eles.

Algumas dicas para cotação por telefone são:

  • Torne o processo de cotação o mais fácil possível;
  • Ouça seu cliente para identificar o problema que ele está procurando resolver;
  • Pergunte sobre prazos de trabalho, estime uma data de entrega;
  • Pergunte ao cliente quanto ele está disposto a pagar pelo serviço e se já cotou com outra pessoa;
  • Não é errado perguntar se ele teve problemas com fornecedores anteriores;
  • Mencione o nome do cliente enquanto fala com ele, para mostrar respeito e atenção;
  • Mencione algo positivo e único sobre seus serviços para que fique na memória do cliente;
  • Cite clientes da mesma área do cliente em potencial com quem você trabalhou;
  • Peça e confirme as informações de contato para enviar a cotação;
  • Pergunte a hora que você pode ligar para encontrá-lo.

Monte um plano de Marketing Digital

Não importa qual o serviço que você oferece, assim como ter uma Marca Pessoal forte, é importante que você se faça ser visto. E, para isso, nada melhor que ter um plano de Marketing Digital.

Aqui na Platzi você pode encontrar toda uma trilha de cursos de Marketing Digital 360º, assim como cursos de Design e UX. A partir deles, você pode aprender as melhores maneiras de vender seu trabalho. Às vezes um simples infográfico pode viralizar e te render ótimos clientes e interessados!

Conclusão

Independente dessas dicas, a verdade é que cada profissional tem uma maneira única de trabalhar, e é importante que você tenha Inteligência Emocional para identificar qual é sua!

Saiba reconhecer seus pontos positivos e negativos, e use essas características a seu favor

O Curso de Freelancer vai te dar ferramentas e estratégias que te ajudam nessa empreitada e que com certeza vão te garantir muito sucesso! Se essas dicas foram úteis, garanto que o curso será ainda mais.

Postagens Relacionadas

Os esforços feitos para atrair clientes ou ampliar a imagem de uma empresa ou marca na internet fazem parte de uma estratégia de marketing
Com muita frequência, nós nos perguntamos “por que é tão difícil mudar alguns hábitos não saudáveis”? Tenho certeza que em algum início de ano,
A programação vem deixando de ser coisa de nerd, passando a ser essencial para quem deseja aprender e crescer no setor. Saber pelo menos
Estudos mostram que somos interrompidos ou nos distraímos a cada três minutos em média. Isto soma três horas ou mais por dia em que